Páginas

Mushin (Não pensar em nada - Mente Vazia)

Mu (vazia) shin (mente)

"Não se pensa em nada de definido, quando nada se projeta, aspira, deseja ou espera, e que não se aponta em nenhuma direção determinada e, não obstante, pela plenitude da sua energia, se sabe que é capaz do possível e do impssível...esse estado, fundamentelmente livre de intenção e do eu, é o que o Mestre chama de espiritual."

Herrigel - A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen.

Sabedoria Chinesa

Quando um arqueiro atira sem alvo nem mira, está na originariedade de sua realização de atirador.

Quando atira para ganhar, instala-se em sua realidade uma cisão entre atirar e ganhar. E já fica nervoso.

Quando atira por um prêmio, fica cego.
Pela cisão vê ao mesmo tempo dois alvos.
Sua realidade é a mesma, mas as divisões o cindem.
Ele se pre-ocupa mais em ganhar do que atirar.
Vê mais o prêmio do que o alvo.

A necessidade de vencer lhe esgota a força de identidade!


Chuang-tzu - "Mestre Zhuang"
Filósofo taoísta chinês (369 a.c. / 286 a.c.)

18 julho 2010

Metodologia de Treinamento em Seco para as Modalidades de Precisão


Acho que esse artigo, pela sua simplicidade e praticidade será um dos mais proveitosos que já escrevi. Na realidade ele reúne muitos conceitos já abordados, porém, numa visão prática para o treinamento do dia a dia. Podemos até pensar que ele lança uma metodologia de treinamento para o tiro de precisão com armas curtas.

Como já mencionei em outros artigos, a equação do Tiro Certo só possui duas variáveis: a posição imóvel, incluindo o alinhamento da figura de visada na ZV, e o acionamento sem alterar essa imobilidade. A sequência de exercícios que apresento nesse artigo irá propiciar o desenvolvimento e o controle desses dois fundamentos: imobilidade e acionamento.

Vamos então recordar o que é o Tiro Certo: alça e massa alinhada na zona de visada, antes, durante e depois do disparo. Isso inclui: (a) uma posição estática, imóvel, onde permanece apenas o arco de movimento residual do atleta; (b) um punho firme, que mantenha a figura de visada alinhada durante todo o processo do disparo; (c) um acionamento independente, confiante e ininterrupto, pressionando a tecla do gatilho para trás, sem criar componentes laterais que desalinhem a figura de visada.

Não precisava, mas vou lembrar: é fundamental que a empunhadura física da sua arma esteja 100%. Se tiver dúvida, releia os artigos sobre empunhadura.

Para os exercícios você deve imprimir a figura abaixo, a qual deve ser fixada na parede. Ela contém a sequência de alvos que utilizaremos da direita para a esquerda: alvo ponto, alvo linha horizontal, alvo dupla linha vertical e alvo cruz.

 
 Fig. 1: Alvos empregados no treinamento.


Essa figura deve ser fixada de forma que o ponto e as linhas horizontais fiquem numa altura (A) equivalente a posição do topo da massa quando na zona de visada a dez metros (Fig. 2). Essa altura irá variar conforme a altura do atleta e é calculada pela seguinte formula:

A= [(10 - C) (B – 1,35) / 10] + 1,35

Ex: um atleta cujo olho fique a 1,59 m de altura, treinando a 1 m da parede, irá fixar os alvos de treino de forma que as linhas horizontais e o ponto fiquem na altura de 1,57 m:

A = [(10 – 1) (1,59 – 1,35) / 10] + 1,35 = [(9 x 0,24)/10] + 1,35 = 1,57 m



Fig. 2: Posicionamento do alvo de treinamento mantendo a altura de visada.

Descrição dos Exercícios

1º Exercício – Posição Interior

Alvo: Ponto
Número de repetições: 10
Objetivo: Aprimorar a percepção cinestésica do corpo, desenvolver a pro atividade no controle da estabilidade e criar a memória muscular da posição de disparo.
Execução:
1.       Acerte a posição exterior em relação ao ponto;
2.       Estabilize o seu corpo, plantando os pés no chão;
3.       Levante a arma com os olhos abertos, elevando o braço a +/- 130o, alinhe a figura de visada no ponto alto e desça o braço até que a massa fique abaixo do ponto, como se o ponto fosse o pingo do “i” no topo da massa;
4.       Feche os olhos por aproximadamente 15 seg. Durante o tempo que ficar de olhos fechados, concentre-se na sua posição interior (ver artigos sobre posição interior), e mantenha a imobilidade e estabilidade, observando o trabalho dos músculos da perna, tornozelo e pé. Busque também manter o braço na mesma posição horizontal que estava quando fechou os olhos;
5.       Abra os olhos e confira o alinhamento da figura de visada e a posição desta em relação ao ponto;
6.       Descanse 20 seg. entre cada repetição;

2º Exercício – Estática

Alvo: Ponto
Número de repetições: 20
Objetivo: Aprimorar o controle da estabilidade da posição de disparo e da imobilidade do corpo, aprendendo a “ficar quieto”.
Execução:
1.        A posição exterior já deve estar certa;
2.       Estabilize o seu corpo, plantando os pés no chão;
3.       Levante a arma com os olhos abertos, elevando o braço a +/- 130o, alinhe a figura de visada no ponto alto e desça o braço até que a massa fique abaixo do ponto, como se o ponto fosse o pingo do “i” no topo da massa;
4.       Com os olhos abertos, mantenha-se quieto, imóvel, estático, por aproximadamente 15 seg. Não lute contra o seu arco de movimento. Apenas fique quieto e observe o arco de movimento reduzir até a amplitude mínima, residual. Esse é o seu arco de movimento residual que você irá trabalhar para diminuir até conseguir manter a massa parada no ponto (“i”);
5.       Descanse 20 seg. entre cada repetição;

3º Exercício – Acionamento de Olhos Fechados

Alvo: Ponto
Repetições: 15
Objetivo: Aprimorar o acionamento do gatilho.
Execução:
1.       A posição exterior já deve estar certa;
2.       Estabilize o seu corpo, plantando os pés no chão;
3.       Levante a arma com os olhos abertos, elevando o braço a +/- 130o, alinhe a figura de visada no ponto alto e desça o braço até que a massa fique abaixo do ponto, como se o ponto fosse o pingo do “i” no topo da massa;
4.       Chegue ao ponto acionando o primeiro estágio ou o descanso;
5.       Feche os olhos e, com 100% da atenção no dedo indicador, promova o acionamento restante, observando que, excetuando os músculos do dedo que aciona, nenhum outro músculo da mão altera a força de empunhadura e que o tônus dos músculos do punho também permanece constante;
6.       Ao disparar, faça o follow through de olhos fechado e abra os olhos. Verifique o alinhamento da figura de visada e sua posição em relação ao ponto;
7.       Descanse 20 seg. entre cada repetição.

4º Exercício – Eliminação do Erro Vertical

Alvo: Linha Horizontal
Repetições: 10
Objetivo: manter o tônus muscular do punho, a pressão constante dos músculos da mão, e o consequente alinhamento da figura de visada sem alteração do alinhamento vertical da massa.
Execução:
1.       Acerte a posição exterior em relação à linha horizontal;
2.       Estabilize o seu corpo, plantando os pés no chão;
3.       Levante a arma com os olhos abertos, elevando o braço a +/- 130o, alinhe a figura de visada no ponto alto e desça o braço até que o topo da massa e as bordas superiores da alça fiquem abaixo e tangente à linha horizontal;
4.       Realize o disparo em seco, com 100% da atenção na manutenção do tônus muscular do punho e o alinhamento da figura de visada com o topo da massa e das laterais da alça tangenciando a linha horizontal;
5.       Faça o follow through um pouco mais prolongado (+/- 1 seg.);
6.       Descanse 20 seg. entre cada repetição.

5º Exercício – Eliminação do Erro Horizontal

Alvo: Dupla Linha Vertical
Repetições: 10
Objetivo: manter o tônus muscular do punho, a pressão constante dos músculos da mão, e o consequente alinhamento da figura de visada sem alteração do alinhamento horizontal da massa.
Execução:
1.       Acerte a posição exterior em relação ao espaço entre as linhas verticais;
2.       Estabilize o seu corpo, plantando os pés no chão;
3.       Levante a arma com os olhos abertos, elevando o braço a +/- 130o, alinhe a figura de visada no ponto alto e desça o braço até que a figura de visada se encaixe nas linhas verticais mantendo a massa entre as duas linhas;
4.       Realize o disparo em seco, com 100% da atenção na manutenção do tônus muscular do punho e o alinhamento da figura de visada, mantendo a massa entre as duas linhas verticais;
5.       Faça o follow through um pouco mais prolongado;
6.       Descanse 20 seg. entre cada repetição.

6º Exercício – Eliminação dos Erros Vertical e Horizontal com Manutenção da Imobilidade da Posição

Alvo: Cruz
Repetições: 20
Objetivo: Aprimorar a capacidade de realizar o disparo mantendo o corpo imóvel, a constância do tônus muscular do punho e da mão, bem como a flexão de acionamento ininterrupta e independente.
Execução:
1.       Acerte a posição exterior em relação à cruz;
2.       Estabilize o seu corpo, plantando os pés no chão;
3.       Levante a arma com os olhos abertos, elevando o braço a +/- 130o, alinhe a figura de visada no ponto alto e desça o braço até que a figura de visada se encaixe na cruz, com o topo da massa e das laterais da alça tangenciando a linha horizontal e a linha vertical no meio da massa;
4.       Realize o disparo em seco, com 50% da atenção na manutenção do tônus muscular do punho e o alinhamento da figura de visada, e 50% no acionamento correto;
5.       Faça o follow through um pouco mais prolongado;
6.       Descanse 20 seg. entre cada repetição.

7º Exercício – Processo de Olhos Fechados

Alvo: Cruz ou Ponto
Repetições: 20
Objetivo: Aprimorar a percepção cinestésica do gestual de disparo, desde a elevação do braço até o termino do follow through.
Execução:
1.       Acerte a posição exterior em relação à cruz;
2.       Estabilize o seu corpo, plantando os pés no chão;
3.       Feche os olhos e realize todo o processo de disparo de olhos fechados.
4.       Ao terminar o follow through, abra os olhos e confira a posição da figura de visada em relação à cruz ou ponto.
5.       Descanse 20 seg. entre cada repetição.



 
Fig 3: Posição da figura de visada em cada exercício.

Ao todo foram realizados 105 disparos em seco. Treinamos todos os fundamentos do Tiro Certo, em seco, em casa, economizando munição e tempo de deslocamento para o estande.

Essa sequência também é uma opção para iniciar o treino técnico no estande, incluindo, após as sete fases, exercícios de tiros reais no alvo branco e normal.

É sempre importante lembrar que o tiro em seco é a melhor escola para aprimorar os fundamentos técnicos. Sem a busca do “resultado” no alvo, o atleta mantém 100% da sua atenção na execução correta do exercício, sem ser distraído pelo “valor” numérico do disparo. O principal “valor” passa a ser a realização tecnicamente correta da tarefa que está executando. É a única forma de desenvolver o prazer em fazer o disparo tecnicamente certo.

Não temos como treinar “ponto”.  Podemos apenas treinar a técnica. Você não tem como levar os pontos do treino para a competição, a técnica sim. O ponto, sem dúvida é o que lhe dará a medalha, mas este será sempre uma consequência da técnica treinada e realizada.

Silvio Aguiar

5 comentários:

Wilson disse...

Mais um excelente artigo, parabéns.

Fábio Amaral disse...

Este artigo é um belo trabalho! Simples, preciso e direto ao alvo! Obrigado e parabéns
Fábio Amaral

Autor disse...

Informação de qualidade, parabéns.

360VIRTU disse...

Excelente artigo! Conheça nosso simulador para treinamento de tiro em seco em www.360virtu.com. Obrigado!

Unknown disse...

Silvio, tudo bem?

Gostaria de saber se este treino serve para carabina.

Muito obrigado

Carlos Abdala
abdala.ortopedia@gmail.com